Homens&Pássaros

pesquisar

 
Terça-feira, 14 / 12 / 10

Por nós (nem direitos, nem deveres)

Idolatrados são os sonhos, os nossos!

Profundos voos,
claras crateras,
asas azuis,
iluminadas borboletas.

Pobre do homem sem sonhos!
Sem profundezas,
sem raríssimas delícias:
negras memórias de remotas épocas,
verdes esperanças de cenas
de metamorfoses viscerais,
de risos...de vida!

Sozinhos nascemos.
Sozinhos mergulhamos no infinito nada,
nos aborrecidos segredos das tristezas.

Os homens!
Ah, nós os homens!
Poças de sangue represadas,
suspiros coloridos, inertes,
pequenas coerências de miséria,
olhares indecisos, cegos mesmos;
e somos homens!,
elementares desertos de certezas
da fumaça do cigarro sobre a mesa.

E cantamos!
Bebemos goles de delícias
sobre o corpo acidentado dos desejos.
E vivemos!
Observem como vivemos!
Vivos conduzimos nossos erros,
alimentamos, sem vontade, nossos olhos
com as imagens distorcidas dos segredos.

Às vezes penetramos as entranhas
do mistério ensimesmado dos resíduos,
estas partículas espalhadas pela alma,
pedaços do que somos e não somos,
essas coisas penduradas nos arquivos
das nossas desprezíveis atitudes,
pequenos atos, confusos, obscenos,
contínuas violências gratuitas
fantasmas habitantes do instinto.

Mas sempre somos!
Alguma coisa nos conduz a sempre sermos
objetos de fatais indecisões.

Corrompemos, muitas vezes, a clareza
do que nascemos,
que vivemos,
que amamos,
sempre hostis às nossas imensas emoções.

Caminhamos, nós os homens, muitas vezes,
pelas artérias, essas quentes avenidas,
à procura do amor ou do sorriso,
todos aqueles levianos arrepios
da nossa alma, puta vã, cosmopolita.

E somos tolos!
Construímos altos muros,
branco aço,
cidadelas de angústias
e nos perdemos noite adentro de nós mesmos,
sempre sonhando ver o dia clarear.

E até amamos!
Imaginem que amamos!
Somos vertigens no silêncio de um quarto,
somos lembranças, ajuntamentos de pedaços,
e somos corpos relutando com os corpos,
e somos crises de sozinho que ficamos,
e imaginem!, até choramos bem quietinhos nosso medo
após olharmos se a porta está trancada.

E há pedaços de carinhos espalhados
por todo o quarto amanhecido na ressaca,
e nossos olhos, essas tristes aberturas,
que nunca fecham pra barrar a nossa mágoa,
estão, agora, à luz do dia, estatelados,
de tão cansados de pôr água em nossa barba.

E pobre do homem que não ama!,
que não consegue um sofrerzinho de querer,
aquele homem que só olha um ponto fixo
e não entende que seu olhar já nada vê.

Precisamos nos partir em mais pedaços,
em muitos cacos,
todos brilhos, muita luz,
precisamos aumentar nossas reservas
de sorrisos, de tesão, de bem querer,
ter mais vontades, mil sentidos, 10 mil almas
para nos darmos num sem fim até morrer.

Mas somos pobres!
Não há muito pra se dar, só pra querer,
há uma erosão de sentimentos em nosso corpo
nos corroendo dia a dia e a fazer
de cada parte ainda viva nas entranhas
um feroz lobo que de nós só quer o ter.

Como gritamos, nós, os homens!
quando, sozinhos, nos pegamos
a sorver feroz melancolia,
astutas armadilhas do silêncio.

E gritamos! ninguém ouve, mas gritamos!
Esperneamos, encolhemos, blasfemamos
e não adianta, ninguém vê.

Somos nós mesmos mergulhados na fumaça
de um passado acomodado na memória
que proibimos de sair pra ninguém ver.

E como ficamos ridículos!
E como ficamos trêmulos!
E como, à noite, os temores nos assustam.

O que fazem de nós, os temores!
nos chicoteiam, passam a mão na nossa bunda,
nos cospem na cara
e nos chamam de covardes.

E como ficam enormes!
Como se agigantam!
Como dançam cinicamente à nossa frente!
E como corajosos de medo ficamos!
E como levantamos, acendemos a luz,
acendemos o cigarro,
abrimos a cerveja
e madrugada adentro ficamos sós...
Ficamos sós,
nós e nossos temores,
mergulhados na tênue linha dos mortais,
no fumo e no álcool (um procurando o outro)
numa festa macabra e sem final.
(Santos/Sp-00:01hs)

publicado por Antonio Medeiro às 09:33
Quinta-feira, 18 / 02 / 10

A ilha

Estive observando: o ser humano se evita e cada vez mais se aglomera para sobreviver.

Pense um edifício: uma ilha de gente que mal se conhece, mal se cumprimenta - individualista - que paga as mesmas contas, trabalha em lugares diferentes e convive com os mesmos problemas inerentes à convivência em grupo.

É como estar perdido numa ilha cheia de regras: isto pode, isto não pode, aquilo pode, aquilo não pode.

É uma ilha onde todos se vigiam, onde quem quebra as regras é punido de acordo com a lei das regras.

O sujeito é individualista, mas não é só; ele tem que pensar pelos outros, se conter pelos outros, fazer a vontade dos outros.

É um ser sozinho ligado ao preâmbulo da lei, fadado ao silêncio imposto, às paredes do seu habitat, à sua própria solidão.

E quando menos espera é invadido, torturado, acuado pelos quebradores de leis: os barulhentos, os malcheirosos, os folgados, os libertários das causas próprias... os que criam, mas não seguem as leis.

E o sujeito se esconde atrás da madeira da sua porta, dos tijolos da sua parede, do som da sua música, da sua televisão, ou atrás da lei, para se esconder da vida que ruge ameaçadoramente lá fora.

A ilha é a metáfora do nosso isolamento.

Odiamos ficar sozinhos, mas a convivência vertical nos leva a enxergar o horizonte deserto, porque, na ilha, a vida ou está acima ou abaixo de nós, numa pirâmide fria de rostos e almas disformes.

E nela passamos nossos dias à espera do grande navio.

O que nos levará além do horizonte azul.

O que nos revelará a vida no sentido horizontal, como ela é.

.

TõeRoberto-05:078

publicado por Antonio Medeiro às 05:00
Segunda-feira, 15 / 02 / 10

Castigo


muito só
neste quarto
nesta cama
nesta noite
nesta cidade
nesta vida
neste suicídio.

 


muito só
comigo
sentado triste
olhos sem brilho
feito um menino
de castigo.

.
TõeRoberto

publicado por Antonio Medeiro às 05:00
Sábado, 16 / 01 / 10

A união

Somos um
e gostaria que fôssemos dois.

 

Depois nem a vida,
só dois.

 

Somos dois
e gostaria que fôssemos três.

 

Depois nem a vida,
só três.

 

Somos três
e gostaria que fôssemos depois.

 

A união da vida:
três em um.

 

Somos depois
e gostaria que fôssemos acordados.

 

A união dos sonhos:
um só um.

.
TõeRoberto

publicado por Antonio Medeiro às 05:00
Sexta-feira, 05 / 12 / 08

A SOLIDÃO

Poemas Escolhidos

 

Desfaz-se a noite em silêncio:
não sinto nada
estou submerso
no profundo deserto
deste verso.

 

(Flor noturna
amarela
no abismo dessa noite
respiro
lenta megera).

 

Não sinto nada
estou afogado
no silêncio do espaço
com três cadeiras vazias
ao meu lado.

.
TõeRoberto-09:16-post in jampa/pb

música: Dança da Solidão - Marisa Monte
publicado por Antonio Medeiro às 05:19
Segunda-feira, 20 / 10 / 08

O DESCANSO

Poemas Escolhidos

 

Porque hoje é sábado não falarei do meu tédio de hoje.

 

Falarei, sim, do meu tédio de segunda e terça-feira
do meu tédio de quarta e quinta-feira
ou, talvez, do meu tédio de sexta-feira.

 

Passarei o sábado falando do meu tédio útil da semana
esquecendo este meu tédio inútil do sábado.

 

No domingo eu ficarei calado e sonolento.

 

Não pensarei em nada, não sofrerei por nada
e calmo e entediado morrerei de tédio no silêncio da tarde.

.
(Fonte: Poema - Autoria de TõeRoberto)
Post In Jampa/PB

música: As Time Goes By - Dave Maclean
publicado por Antonio Medeiro às 05:41
Domingo, 28 / 09 / 08

A NOITE

Poemas Escolhidos

 

Homem de capote
lata batendo
cachorro encolhido.

 

No meio da noite
o estampido.

 

Zuuummm!...
faz o vento.

.
(Fonte: Poema - Autoria de TõeRoberto)
Post in Jampa/PB

.

música: Solitaire - Carpenters
publicado por Antonio Medeiro às 05:17
Blog de TõeRoberto

Adamo&Isabelle

Julho 2012

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Comentários recentes

  • Sem palavras, silenciou e falou.Sem Palavras! Caro...
  • Caro TõeRoberto,Exceto pela parte do dedo no vidro...
  • Elimine os filtros, Primo! Não é fácil... eu que o...
  • show de bola o texto, especialmente as frases fina...
  • Olá, desculpa o meu Português não escrever bem per...

mais comentados

blogs SAPO


Universidade de Aveiro