Homens&Pássaros

pesquisar

 
Terça-feira, 27 / 07 / 10

O Bolero

A música:

"Tanto tiempo disfrutamos este amor
nuestras almas se acercaron tanto asi
que you guardo tu sabor
pero tu llevas tambien sabor a mi..."

Definitivamente! Na outra encarnação eu fui puta!

Porque vou dizer uma coisa: vai gostar assim de um bolero lá não sei aonde!

A qualquer hora o bolero me inflama, me leva pra dentro da noite, aos bares escuros dos becos, à fumaça negra do cigarro - no ar - às bocas pintadas passionalmente, aos passos da dança suave que me faz flutuar.

O bolero me faz vivo, entra no peito - onda de calor - esquenta o coração e faz doer aquela dorzinha escondida nos cantos dos anos.

O bolero nos dá a fêmea volátil, aquela de doer os cornos, fazer nego beber, soluçar e se matar na base do prozac e da punheta.

O bolero e a fêmea se entrelaçam aos olhos notívagos da nossa eterna boemia; o terno de linho - branco - a cachacinha tomada a conta-gotas à luz dos mistérios da lua, ao som da orquestra suicida que queima com suas notas melancólicas a alma inocente da noite.

O bolero me mata aos poucos, me afunda no buraco negro dos meus amores esquecidos, me engasga com os sessenta cigarros que já abandonei e me afoga na cerveja tomada aos montes nas madrugadas insones.

Já fui puta - isto eu tenho certeza - porque ao som do bolero me vem às narinas o cheiro dos perfumes baratos, o odor dos suores fétidos dos homens do porto, o toque da cédula de U$20, o estalo do tapa no rosto, o gosto salgado das lágrimas na ponta da língua e a angústia da solidão sem fim.

O bolero é o meu limite entre o viver e o existir. O bolero é a minha alma, a minha cólica renal, a minha dor de dente, a minha dor de cotovelo, o meu tesão pelo que não fui.

Deixe o bolero fluir ao som do vento e, no silêncio da noite, deixe o bolero trazer em suas mãos atormentadas a possibilidade dos amores que choram em silêncio, nas notas da melodia, as suas dores mais lindas.

Deixe o bolero sofrer no fundo passional dos seus amores brutos.

"Pasáran más de mil años muchos más
yo no sé si tiene amor la eternidad
pero hoy tal como ayer
em tu boca llevarás sabor a mi..."

E vista o seu terno de linho - branco - e se lambuze na febre indecente das bocas avermelhadas da sua alma de puta.

publicado por Antonio Medeiro às 10:22
Quinta-feira, 26 / 11 / 09

O capeta

Ficar velho, ao contrário do que se pensa, é um barato!

Adrenalina pura!, como dizem os jovens.

O que é um salto de Bungee Jump perto da possibilidade de um derrame?

A corredeira de um rio caudaloso, um enfarte?

Um racha na madrugada, um aneurisma?

Um Armageddon, um reumatismo infeccioso?

Uma maconhazinha, um prozac?

Duas pernas quebradas, um Alzheimer?

Uma apendicite, um câncer de próstata?

Um rapel, uma hipertensão fatalizada?

05 trepadas, uma broxada?

O que pode ser mais emocionante - adrenalina pura mesmo! - do que abrir o resultado de um exame?

Do que ficar com os olhos fechados, de manhã, com medo de abri-los e estar morto?

Ficar velho, muito mais que os jovens, é viver no fio da navalha, é equilibrar-se no fio invisível que separa a vida e a morte... é descobrir, além de tudo, que não se é eterno.

E isso quando não fazemos papel de palhaço e rimos de nós mesmos.

Concorde!

Fui ao dermatologista ontem:

Um trem branco na cabeça, um vermelhão na barba, um descascado nos pés.

Um trem vermelho pra passar na cabeça, um troço branco pra passar na barba, um negócio amarelo para passar nos pés.

E um sabonete pra usar sempre.

Cheguei em casa, tomei um banho, me enxuguei, passei no corpo tudo que era de direito, vesti a roupa e comecei a sentir um cheirinho estranho.

Comecei a me cheirar e... cruz-credo!

Eu estava com cheiro de capeta!

Corri para o banheiro e comecei a ler as bulas: o danado do sabonete é feito de enxofre e enxofre desde que eu sou pequeno é o cheiro do capeta.

Agora imagine: um sujeito na meia-idade, na rua, num país absolutamente crente em Deus, com catinga de capeta.

Vai ser véia fazendo o sinal-da-cruz pra tudo quanto é lado e gritando: "te desconjuro, satanás!".

Por isto digo: nascemos cagando e morremos cagados!

Cagados, mas com a adrenalina ó!!!

.
TõeRoberto

publicado por Antonio Medeiro às 05:00
Blog de TõeRoberto

Julho 2012

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Comentários recentes

  • Sem palavras, silenciou e falou.Sem Palavras! Caro...
  • Caro TõeRoberto,Exceto pela parte do dedo no vidro...
  • Elimine os filtros, Primo! Não é fácil... eu que o...
  • show de bola o texto, especialmente as frases fina...
  • Olá, desculpa o meu Português não escrever bem per...

Subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro