Homens&Pássaros

pesquisar

 
Terça-feira, 29 / 12 / 09

O fantasma

Eu não sou nada que valha tanto
como pensam os desencantados
eu não sou brilho
não sou nada
apenas estrela
ou, quem sabe, astro
pelo véu da noite acobertado.

 

Às vezes venho para este tempo
como um objeto já esperado
mas apareço, brilho e rebrilho
depois me vou feito um fantasma
e a negra noite de quem me espera
como um desejo já planejado
desce seu manto feito um castigo
sobre seus olhos amortalhados.

.
TõeRoberto

publicado por Antonio Medeiro às 05:00
Domingo, 29 / 11 / 09

Momentos

Abra os olhos, acorde,
sinta nos lábios o roçar dos meus,
escute, lá fora, no passar da noite,
o apito do guarda,
o miado do gato,
a mostrarem o instante do reviver.

 

Ajuste o compasso,
calcule a trajetória
e trace nesse beijo a parábola da vida,
depois levante-se, assim,
que não é hora
de demonstrar nos olhos a dor infinda.

 

Abrace-me! Beije-me!
Faça-me seu!
Olhe agora para minha face,
murmure comigo a palavra mágica;
agora deite-se, feche os olhos,
durma!
e aguarde o encanto dessa cena.

.
TõeRoberto

publicado por Antonio Medeiro às 05:00
Sexta-feira, 27 / 02 / 09

NOITE II

Poemas Escolhidos

 

À noite
(repentinamente)
um grito
(aniquilamento)
esvai-se
(peremptoriamente)
nos braços
do incansável vento.

.
TõeRoberto-post in jampa/pb

música: Variada
publicado por Antonio Medeiro às 05:00
Sexta-feira, 05 / 12 / 08

A SOLIDÃO

Poemas Escolhidos

 

Desfaz-se a noite em silêncio:
não sinto nada
estou submerso
no profundo deserto
deste verso.

 

(Flor noturna
amarela
no abismo dessa noite
respiro
lenta megera).

 

Não sinto nada
estou afogado
no silêncio do espaço
com três cadeiras vazias
ao meu lado.

.
TõeRoberto-09:16-post in jampa/pb

música: Dança da Solidão - Marisa Monte
publicado por Antonio Medeiro às 05:19
Segunda-feira, 17 / 11 / 08

O SILÊNCIO LATIDO

Poemas Escolhidos

 

Cadê meu travesseiro?
A noite chegou
o amor me aperta.

 

Sossega, amor!
Não quero brincar de sofrer.

 

Amor durão
travesso
velho!
Amor eterno!

 

O silêncio do amor é doído.

 

Na rua,
o cachorro late sua velha canção.

 

Eu penso
silenciosamente penso
no latido que ouço!...

.
(Fonte: Poema - Autoria de TõeRoberto)
Post in Jampa/PB

música: Dans La Nuit - Sarah Brightman
publicado por Antonio Medeiro às 03:54
Terça-feira, 28 / 10 / 08

AS PALAVRAS

Poemas Escolhidos

 

Uma a uma as palavras vinham na boca dos mortos
e calmas e silenciosas infernizavam a noite
com seus cortantes conflitos.

 

Ganhavam asas e sobrevoavam a taciturna angústia
dos que lá se encontravam.

 

Os mortos falavam:
e dos olhos, cabelos
nariz, pele, boca, ouvido
as palavras saltavam
e forjavam na noite fria
os sonhos daqueles mortos
que em profundo silêncio,
nas mãos uma taça vazia,
erguendo um brinde à vida
palavras geladas bebiam.

.
(Fonte: Poema - Autoria de TõeRoberto)
Post in Jampa/PB

música: Strangers In The Night - Nicolas de Angeli
publicado por Antonio Medeiro às 05:25
Sexta-feira, 10 / 10 / 08

O CASO DE AMOR

Poemas Escolhidos

 

João Teodoro amava Maria Das Claras
na noite de lua.
Amava!

 

Silêncio:
ruído de beijos
esfregar de mãos
fogo no peito.
Amor!

 

Silêncio quebrado:
o frio rio
o rio frio
o corpo claro da lua:
Claras!

.
(Fonte: Autoria de TõeRoberto)
Post in Jampa/PB
.

música: Dança Da Solidão - Marisa Monte
publicado por Antonio Medeiro às 04:39
Blog de TõeRoberto

Adamo&Isabelle

Julho 2012

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Comentários recentes

  • Sem palavras, silenciou e falou.Sem Palavras! Caro...
  • Caro TõeRoberto,Exceto pela parte do dedo no vidro...
  • Elimine os filtros, Primo! Não é fácil... eu que o...
  • show de bola o texto, especialmente as frases fina...
  • Olá, desculpa o meu Português não escrever bem per...

mais comentados

Subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro