Só pra registrar!

Ano: 1930 e alguma coisa.

Palco: Uma fazenda, em Minas Gerais.

Cena: Uma mulher, em agonia, parindo.

Resultado: Morrem mãe e filho.

Homem, desde que o mundo é mundo, sempre pensa com a cabeça errada. O marido não foi exceção.

Colocou dentro de casa uma mulher jovem, bonita e....

Consequências: a irmã mais velha, queimada; a do meio, pernas fraturadas; a mais nova, marcas das belas unhas da madrasta pelo corpo inteiro.

Numa época x, de comportamento y, as três irmãs foram tipo doadas - na acepção da palavra - para as irmãs do fazendeiro.

Duas tiveram um pouco mais de sorte; a mais velha, não.

Com 06 anos sentiu a dor do trabalho pesado. Enfiada no trabalho da casa: ama-seca de meninos maiores que ela, faxineira, lavadeira, passadeira, cozinheira e tudo o mais. E algumas coisas bem mais humilhantes que lavar latrinas: tipo escovar os cabelos da sua "patroa".

Analfabeta entrou/analfabeta saiu; com a roupa do corpo entrou/com a roupa do corpo saiu quando deixou de trabalhar para a sua "patroa" depois de 40 ou 50 anos de trabalho duro.

Cruel, egoísta, dissimulada, desprovida de piedade, amor, carinho, solidariedade: assim era sua "patroa".

Uma mulher que escondia comida dos próprios filhos.

Escondia tanto que a comida se perdia: enfiava maçãs, peras, uvas, pêssegos dentro dos guarda-roupas e gavetas e esquecia. Lá ficavam: na limpeza, achavam montes e montes de frutas podres.

A avareza era tanto que não permitia coisas boas nem para ela.

A única pessoa que conheci que não gostava de música.

O assunto é longo. Dez romances no mínimo.

Mas ela se foi - me lembro quando se foi.

Disse, no leito de morte, que ninguém gostava dela. A única vez que foi sábia na vida.

Pessoas desse tipo precisam de muito amor e carinho. São pessoas mal-amadas. Crianças que tiveram uma infância muito infeliz. Disciplina rígida e educação voltada para o egoísmo absoluto.

Este tipo de gente ainda existe.

Um conselho: se elas forem adultas, fique longe delas; não são boas companhias.

Como eu disse: só pra registrar!

.
TõeRoberto

publicado por Antonio Medeiro às 05:00