Homens&Pássaros

pesquisar

 
Terça-feira, 13 / 04 / 10

Artesão

Impossível sorrir quem não sonhar
a casa
a oficina
o artesão
ofícios de leveza
versos finos
verdes linhas de pureza
e paixão.

À oficina doe asas azuladas
mãos de veludo
pés de anjo ao artesão
e atente-se ao mergulho
interminável
na profunda e vasta rosa
da ilusão.

A casa doe a fantasia
já composta
na alada oficina do artesão
e voe leve pelo espaço
do instinto
extrapolando o negro fel
do coração.

Ajuste-se a casa
o fino pólen dos suspiros
e os excitantes elementos
do artesão
e ao silêncio da oficina
do menino
prenda-se um canto
de certeza
pequenino
com o carinho que restar
em casa mão.

Cortem-se os medos
as feridas
os desatinos
com a faca sem perfil
do frio não
e sobrevoe lentamente
os abismos
que se interpõem
entre a oficina e o artesão.

Às patéticas noções de vandalismo
incrustadas nas ruínas
do artesão
junte-se um pouco do silêncio da oficina
semiencantada pela fada
da emoção.

Renda-se um pouco
da dureza dessa vida
a um instante dessa casa
em construção
solte-se a alma
não os lábios
nem os dentes
e sorria sem mover
o ressecado
e indolente hirto corpo
do artesão.

publicado por Antonio Medeiro às 09:24
Sábado, 07 / 02 / 09

AUSÊNCIA

Poemas Escolhidos

 

Agora é como um não acordar
um cair sem fundo
doce pesadelo
de estar aqui
mas um não estar.

 

É como se o corpo
elemento claro
fosse o segundo
do relampejar
onde a luz se acende
viva e vermelha
depois se vai
sem poder voltar.
.
TõeRoberto-post in jampa/pb

música: Variada
publicado por Antonio Medeiro às 05:00
Sábado, 03 / 01 / 09

MÚSICA

Textos Escolhidos

 

Sabe quando você está absorto, vazio... ausente?

Quando você está com aquela sensação de saudade de algo longínquo, esquecido e, do nada, uma determinada música chega aos seus ouvidos.

E ela vai lhe penetrando como uma onda morna e começa a se esparramar pelas suas vísceras, pelos seus ossos, pelo coração e a pele.

E você respira fundo... fundo!!!

E uma sensação de dor e gozo toma conta de todo o seu corpo.

E você não sabe se está sofrendo ou tendo orgasmos.

E você não sabe se está angustiado ou extasiado.

Aflito ou sereno.

Dormindo ou acordado.

Sabe quando você sente a vida e a morte cantando dentro de você, circulando rápidas, quentes, aos turbilhões por dentro das suas veias.

E você não sabe se emerge ou afunda.

Se grita ou se cala.

Se bebe ou se fuma.

Se chora ou se ri.

E aquela saudade de algo profundo, perdido em você, de longe lhe acena e as imagens se embaralham e clareiam... se embaralham e clareiam, e algo dói gostoso, dolorido dentro do seu âmago sublimado.

E a música avança; é um projétil pontiagudo machucando e afagando o peito e você, de olhos fechados, sente um arrepio subir pelas pernas, pela coluna, pela barriga, pelo esôfago.

E aquele arrepio de frio, mormaço; aquele arrepio de ferida, unguento, percorre a sua alma e seus elementos mais profundos.

Aquele arrepio único!

A música se vai, você abre os olhos, respira fundo e está de volta ao mundo.

Esse é um momento mágico. Entregue-se a ele com o corpo e alma.

Não acontece todos os dias!

E entenda uma coisa: é um grande privilégio ser capaz de vivenciar esse momento. Um grande número de pessoas nunca vai senti-lo.

É preciso ser especial para viajar na eloquente sensibilidade da música.
.
TõeRoberto-11:06-post in jampa/pb

música: Águas De Março - Tom Jobim&Elis Regina
publicado por Antonio Medeiro às 05:29
Domingo, 28 / 12 / 08

CORPO

Poemas Escolhidos

 

Um corpo é só um corpo
uma coisa
um fino objeto detalhado
definida engrenagem
morte/vida
infinito estremecer de nulidades.

 

Um corpo não tem forma
adquirida
determina-se pela força
das vaidades
detém em si uma vontade
resumida
no interior de sua carcaça
deleitada.

 

Define-se o corpo como corpo
porque não tem como ser asa
ou Via Láctea
porque um corpo é só um corpo
uma coisa
um fino objeto detalhado
um ser definitivo
definido
em não ser nada mais
que o espantalho.

.
TõeRoberto-10:08-post in jampa/pb

música: When He's Gone - Eva Cassidy
publicado por Antonio Medeiro às 05:44
Quarta-feira, 03 / 12 / 08

O ACONTECIDO

Poemas escolhidos

 

Pássaro na mão
estampido no espaço
corpo no chão
sangue no aço.

 

Nos olhos do pássaro
um mormaço
a caminho do infinito
o carrasco.

.
TõeRoberto-09:14-post in jampa/pb

música: For Once In My Life - Ally Mcbeal
publicado por Antonio Medeiro às 04:40
Segunda-feira, 03 / 11 / 08

O ACONTECIMENTO V

Poemas Escolhidos

 

Vergo-me sob o peso dos compromissos.

 

Este meu corpo, vara seminua
range, estala, trinca... balança!

As pessoas querem mais e mais!

 

As pessoas querem-me par, simbiose
querem minha metade presa
às suas pequenas memórias.

 

Eu luto, mas o corpo verga
o peso aumenta, as pernas tremem
e as pessoas querem mais e mais!

 

As pessoas são tantas!
Os compromissos tantos!
Eu sou tão frágil... definho!

 

As pessoas querem mais e mais!

 

O corpo range, estala,
trinca... balança
e eu definho mais e mais!

.
(Fonte: Poema - Autoria de TõeRoberto)
Post in Jampa/PB

música: Solitaire - Carpenters
publicado por Antonio Medeiro às 05:40
Blog de TõeRoberto

Adamo&Isabelle

Julho 2012

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Comentários recentes

  • Sem palavras, silenciou e falou.Sem Palavras! Caro...
  • Caro TõeRoberto,Exceto pela parte do dedo no vidro...
  • Elimine os filtros, Primo! Não é fácil... eu que o...
  • show de bola o texto, especialmente as frases fina...
  • Olá, desculpa o meu Português não escrever bem per...

Subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro