Homens&Pássaros

pesquisar

 
Terça-feira, 15 / 06 / 10

Os opostos se atraem

Evicleide, 1,55 m; Judislau, 1,80 m.

Evicleide, mulata; Judislau, branco.

Evicleide, flamenguista; Judislau, vascaíno.

Evicleide, católica; Judislau, evangélico.

Evicleide, sal; Judislau, doce.

Evicleide, cerveja; Judislau, coca-cola.

Evicleide, Só Pra Contrariar; Judislau, Gospel.

Evicleide, feijoada; Judislau, pirão de carne.

Evicleide, xote; Judislau, bolero.

Evicleide, praia; Judislau, rio.

Evicleide, buraco; judislau, dama.

Evicleide, sorriso; Judislau, cara amarrada.

Evicleide, novela; Judislau, igreja.

Evicleide, sol; Judislau, chuva.

Evicleide, calor; Judislau, frio.

Evicleide, 69; Judislau, papai-e-mamãe.

Evicleide, pt; Judislau, psdb.

Evicleide, noite; Judislau, dia.

Evicleide, magro; Judislau, cheinha.

Evicleide, conversa; Judislau, silêncio.

Evicleide, carnaval; Judislau, retiro.

Evicleide, discussão; Judislau, diálogo.

Evicleide/Judislau&Judislau/Evicleide.

Amanhã, Bodas de Ouro: 50 anos de casamento.

Os opostos se atraem: verdade absoluta.

publicado por Antonio Medeiro às 08:45
Sábado, 11 / 07 / 09

ERREI!

Nas minhas considerações de anteontem, no parágrafo onde se lê:

O diabo existe!: desfila sua figura transvestida de fêmea - ruiva, morena, loira, branca, negra - na passarela dos nossos olhos.

Leia-se: o diabo existe!: desfila sua figura transvestida de fêmea - ruiva, morena, loira, branca, negra e MULATA - na passarela dos nossos olhos.

Esqueci a mulata, a nossa mistura mais gostosa!

O orgulho nacional!, o nosso pecado original!

Na sua figura o diabo se locupleta, o diabo gosta!

O diabo se diverte!

O diabo nos tenta!

Por ela brigamos, perdemos noites de sono.

Para ela nasceu o carnaval, as passarelas, a escola de samba.

Na sua presença o mundo se curva, as ilusões se renovam.

Por ela bebemos, dançamos, suspiramos... por elas sonhamos!

Sonhamos ser pais, maridos dedicados, amantes em brasa!

Sonhamos ser reis, artistas famosos, o dono da Microsoft!

Por ela rastejamos, somos ridículos... baba-ovos!

Às vezes cantamos, dançamos, fazemos poesias, fazemos loucuras... somos palhaços!

Por ela pecamos!

Por ela babamos!

Até nos matamos!

E por que não, até escrevemos crônicas!

E vibramos!

Pronto, cometi um erro e só queria corrigir uma injustiça.

E tô indo pra praia!

Haja coração!
.
TõeRoberto-02:248-post in jampa/pb

música: Variada
publicado por Antonio Medeiro às 05:00
Terça-feira, 31 / 03 / 09

FARDA

1964 é um ano marcante para a minha geração.

Uma década em que mudamos do mel para o fel, da paz para a guerra, do sonho para o pesadelo, da luz para as trevas... trevas de mais de 20 anos.

Éramos crianças e o peso do coturno chegou com força total, pisando nossas cabeças inocentes... castrando intelectualmente uma geração inteira.

A rotina das pessoas mudou. A música mudou. O carnaval mudou. Tudo era tão claro, de repente ficou tudo escuro.

Tudo era um medroso suspense, como num filme de Hitchcock. Tínhamos medo de abrir a porta, de olhar embaixo da cama, de caminhar na rua, fosse noite ou dia.

Conversar com as pessoas não devíamos - garçons, motoristas de táxis, barbeiros: qualquer um podia ser o outro, aquele que denunciava por proteção, dinheiro ou ideologia.

Na escola proibiu-se autores, mudou-se o conteúdo das matérias, professores foram presos e a questão disciplinar passou a ser tratada com mão-de-ferro.

Eu, menino, me lembro de duas coisas que mudou drasticamente na minha escola: as filas e a farda... antes, uniforme.

As filas passaram a ser obrigatórias em tudo. Antes de entrar para a sala. Para voltar do recreio. Para sair da escola. Para.... A escola passou ser uma extensão da caserna.

A farda foi pior: éramos crianças e usávamos uniformes simples: calça azul-marinho - curta - camisa branca, meias e sapatos.

A nova ordem impôs: calca bege - comprida, com cinta - camisa bege de mangas compridas - com abotoaduras e gravata preta; meias pretas e sapatos pretos.

 As meninas também mudaram as cores para bege, meias pretas, sapatos pretos e saias bem mais longas do que as do uniforme anterior.

Nos tornamos verdadeiros soldadinhos.

Uma geração no divã da história. Vivemos ou sobrevivemos às mazelas da repressão?

Não sei, mas tenho certeza que, hoje, seria um cidadão bem melhor do que sou, tivesse vivido uma vida normal, sem castração, sem a humilhação de ter sido proibido de ler, assistir filmes, ouvir música e de, sobretudo, ter crescido em paz, longe da longa trajetória da violência que se instalou no país.

Vivi muito tempo no escuro e a claridade, hoje, me dói os olhos.

Que daqui para a frente, o bom senso nos livre desse tipo de mal... amém!
.
TõeRoberto-post in férias por aí/br

música: Variada
publicado por Antonio Medeiro às 05:00
Blog de TõeRoberto

Adamo&Isabelle

Julho 2012

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Comentários recentes

  • Sem palavras, silenciou e falou.Sem Palavras! Caro...
  • Caro TõeRoberto,Exceto pela parte do dedo no vidro...
  • Elimine os filtros, Primo! Não é fácil... eu que o...
  • show de bola o texto, especialmente as frases fina...
  • Olá, desculpa o meu Português não escrever bem per...

blogs SAPO


Universidade de Aveiro