Homens&Pássaros

pesquisar

 
Quarta-feira, 24 / 08 / 11

Fuga

Em vão se disse não:
e o amor travou guerra
com o outro amor.
Eram amores iguais
e um dos amores não viu
um dos amores ficou frio
ficou feio
fez caretas
armou-se de gestos
gritos
de choros
mentiras
conflitos
armou-se de frases
e ritos
tomou veneno de amigos
tentou ser força
ambíguo
tentou ser faca
delírio
quedou
gastou
destruiu
roeu
corrompeu
diluiu
e nada disso foi nada
o outro amor se excluiu
esperou a noite escura
bateu as asas...fugiu!!!
(Recife/Pe-22Maio1985)

Tags: , ,
publicado por Antonio Medeiro às 19:01
Quarta-feira, 22 / 06 / 11

Pássaros de fogo

Pássaros de fogo
rondam nossos olhos
num círculo negro.

Voam!...Voam!...
E não pousam,
não cantam,
não dormem.

Voam!
Somente voam
pelos nossos olhos,
em silêncio,
sem gritos,
sem gemidos,
sem vínculos.

Voam!
E queimam
com suas asas retilíneas
nosso brilho,
nossos cílios,
nossas vidas.

Voam!...Voam!...
E no fundo de nossos olhos
vão construindo ninhos,
e no fundo de nossa alma
vão destruindo os sinos,
e no negro chumbo da tarde
vão defecando o destino.

E voam!...
(São Paulo/Sp)

publicado por Antonio Medeiro às 14:52
Terça-feira, 06 / 07 / 10

Elegia do amor profano

Para Milena, Amanita, Inã, Amana e Nayê, filhos

De quem serão as crianças
que fazemos sem pensar?
E as que foram feitas
com nossa atenção dobrada
a leve mão na barriga
a doce voz pelos poros
aquela espera sentida...
o aflito contar das horas?

De quem serão as crianças
as pensadas, não pensadas?
Da rosa, cores, perfumes
bicos, pólen, vento...asas
espuma rondando a praia
azul lambendo o mormaço
gritinhos, olhos, desenhos
vida, arrepio...graça
campos de lantejoulas
matas, riachos, praças
cantiga de beija-flores
nuvens, chuva... fumaça?

De quem serão as crianças
as sonhadas, não sonhadas?
Das muitas, pobres partilhas
invasões, saques, ardis
eterna, vil armadilha
de sermos tão pueris
sozinhos, mudos, perdidos
consumido, mergulhados
no negro mangue dos dias
no frágil tic das horas
no seco som das palavras
no fundo poço dos olhos
na lenda viva, obscura...
nosso vulto na aurora?

De quem serão as crianças
as amadas, não amadas?
Das migalhas de um sono
não dormido, amamentado
no reles desejo de ira
violências, desagravos
no fino mel do veneno
faca...honra aviltada
no verde grão da inocência
humo...fome plantada
nas rudes, cegas verdades
dos levianos retratos
dos velhos, vagos anseios
pobres sonhos calados
na fria, tola permuta
a mesma face pintada
o mesmo sono invencível
vida, morte acuadas
desenhos, sons, aparências...
nosso próprio cansaço?

De quem serão as crianças
as cansadas, não cansadas?
Do gosto amargo da língua
das palavras malfaladas
do olhar fero, terrível
dos amores degolados
no eterno, doído medo
punhal... sentença talhada
na vida estéril, inerte
dos casais mal-acabados?

Serão de circo as crianças
plumas, vedetes, palhaços?
Mansos leões afagando mãos
chicote... o mágico
estranha plateia, cantigas
serenas formas aladas
aplausos, grito...delírio
o bis fluindo dos lábios
alma, corpo, destino
escadas do cadafalso
punhos, força, instinto
silêncio, reza... carrasco
rito, cenas, algemas
vaias, forca... sarcasmos
débeis flores nascendo
quietude, corte... mais nada?

De quem serão as crianças?
Do fato ou do nosso ato
de sermos todas as horas
um equilíbrio em farrapos
um pequenino retrato vazio
sem fundo... face
imagem nua... disforme
do amor carente de ordem
amor passível de morte
que veio, pousou nos olhos
teceu lampejos de posse
roeu cantigas serenas
comeu a linfa da vida
roubou a fé tão pequena
plantou sementes de ódio
tingiu o mel com veneno
torceu a linha dos sonhos
traçou o fio da sentença
forçando garganta abaixo
a sina dos mil dilemas?

De quem serão as crianças
as cantadas, não cantadas?
Do nosso parvo delírio
restos de dores guardadas
no rosto sério, ferido
nos olhos fitos, sem água?

Serão do crime as crianças
milhões de crimes da raça?
Dos vinte crimes de frases
de um só crime, a palavra
do crime acalentado
por nossa voz afiada
o frouxo corpo encolhido
as frágeis mãos calejadas
o cego gosto da posse
o couro cru da chibata
a vaga calma perdida
nessa triste, vil trapaça
de sermos feitos de alma
de vergonhas, de migalhas
de rotas pedras caídas
nas ruínas de uma praça
de honra, status, pompas
que não servem para nada?

De quem serão as crianças
as honradas, não honradas?
Do sujo, medonho espólio
herança sempre macabra
de quem nessa vida mata
com beijos o objeto amado?

Serão nossas as crianças
pernas, pâncreas, cada abraço
choros, birras, artes, manhas
risos, sonhos, pés, trapaças?
O voo de cada dia
a vida presa no laço
a plena vida escondida
vingança, neuro, disfarce
selada com sete chaves
ciúmes, medo, maldade
eleita, em coro, no escuro
pra servir de cambalacho?

Serão nossas as crianças
produzidas pras idades
ou serão como nós próprios
prisioneiras desse nada?

De quem serão as crianças
as que ficam, não ficaram?
Da fosca prata da lua
do seco pó das estradas
dos andaimes de concreto
das obras não terminadas
da fina imagem do vidro
dos olhos semicerrados
dos fundos sulcos, das rugas
pintura...rosto marcado
por esse suicídio lento
resíduo... vida calada
o nada - fuga impossível
essa agonia pirata
que ronda com suas espadas
o nosso peito de lata?

Serão do tempo as crianças
lábios, seios inchados
na cólica negra da noite
o canto desesperado
da fome - ave do vento
leite, no ego, estragado
por tanto sim escondido
por tantos beijos negados?

De quem serão as crianças
as beijadas, não beijadas?
Do nosso gostoso abraço
daquela velha amizade
do leve toque de pele
o livre canto sem hora
de tudo que prometemos
bonecas, parques e palmas
por tudo que lhes passamos
angústias, gritos e tapas?

De quem serão as crianças
com seus olhinhos sensatos
suas mãozinhas serenas
seus rostinhos alados?

Do curso longo, violento
das vidas atormentadas
dos vagos, duros rancores
de algum amor enfadado
desse olhar indescritível
dos adultos retalhados?

Serão de fato e direito
divisíveis, partilháveis
serão unguentos possíveis
pros nossos cortes baratos
pros nossos pequenos traumas
pra eterna falta de tato?

Serão nossas as crianças
as com marcas, não marcadas?
Ou desse medonho poço
vida, sonhos aprisionados
na rasa, pura mentira
essa sentença calada
de sermos filhos que somos
aflitos pais não lembrados
antiga fome contida
no peito - órgão gelado
por nosso fel escondido
no estranho mundo da alma?

Serão nossas as crianças
as faladas, não faladas?
Ou serão do mesmo barro:
filhos, pais, velhos, casais
gritos, medo, desatino
o silêncio... nada mais!

publicado por Antonio Medeiro às 10:13
Terça-feira, 08 / 06 / 10

Metamorfose

Esquece!
Foi tudo que eu disse.

O mundo veio ao meu rosto
como um dedo em riste.

Então não fiz outra coisa:
subi na janela e sorri
botei minhas asas de sonhos
e me fiz colibri.

publicado por Antonio Medeiro às 09:23
Terça-feira, 28 / 10 / 08

AS PALAVRAS

Poemas Escolhidos

 

Uma a uma as palavras vinham na boca dos mortos
e calmas e silenciosas infernizavam a noite
com seus cortantes conflitos.

 

Ganhavam asas e sobrevoavam a taciturna angústia
dos que lá se encontravam.

 

Os mortos falavam:
e dos olhos, cabelos
nariz, pele, boca, ouvido
as palavras saltavam
e forjavam na noite fria
os sonhos daqueles mortos
que em profundo silêncio,
nas mãos uma taça vazia,
erguendo um brinde à vida
palavras geladas bebiam.

.
(Fonte: Poema - Autoria de TõeRoberto)
Post in Jampa/PB

música: Strangers In The Night - Nicolas de Angeli
publicado por Antonio Medeiro às 05:25
Quarta-feira, 24 / 09 / 08

O QUE SOU

Poemas Escolhidos

 

O que sou
é terem me cortado as asas
terem penetrado em mim
como ferro em brasa
é terem me confinado
numa casa
onde a porta de saída
é só entrada.

 

O que sou
é terem me roubado a vida
terem se incrustado em mim
como eterna ferida
é terem me feito andar
numa avenida
onde o horizonte
é uma guarita.

 

O que sou
é terem me feito espantalho
terem me sentado numa cadeira
no meio da sala
é terem me exigido silêncio
pra não assustar os pássaros
que em vôo calmo
desciam minha garganta abaixo
retornando definitivamente
a casa.

.
(Fonte: Poema - Autoria de TõeRoberto)
Post in Jampa/PB

música: Jura Secreta - Zélia Duncan
publicado por Antonio Medeiro às 04:26
Sábado, 20 / 09 / 08

O MERGULHO

Poemas Escolhidos

 

O pássaro não passa do espaço
que meu rosto ocupa na tarde.

 

Ele voa com suas asas pálidas
sobre a floresta de ferro&carne

 

Traça uma reta, demarca um ponto
fecha o círculo, se interrompe.

 

Meu rosto não passa de um pássaro
que ocupa o espaço do olho da tarde.

.
(Fonte: Poema - Autoria de TõeRoberto)
Post in Jampa/PB

.

música: Fly me to the moon - Nina Simone
publicado por Antonio Medeiro às 04:32
Blog de TõeRoberto

Adamo&Isabelle

Julho 2012

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Comentários recentes

  • Sem palavras, silenciou e falou.Sem Palavras! Caro...
  • Caro TõeRoberto,Exceto pela parte do dedo no vidro...
  • Elimine os filtros, Primo! Não é fácil... eu que o...
  • show de bola o texto, especialmente as frases fina...
  • Olá, desculpa o meu Português não escrever bem per...

Subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro