Homens&Pássaros

pesquisar

 
Sexta-feira, 16 / 12 / 11

Fobias

Estou aqui, sentado no canto da sala!


Foi o lugar que achei pra me esconder do mundo... de mim mesmo, mas sei que este não é o lugar!


Pensei em me esconder no lugar mais alto do mundo, mas sou acrofóbico.


No lugar mais escuro do mundo, mas sou acluofóbico.


No menor espaço do mundo, mas sou claustofóbico.


No lugar mais profundo do oceano, mas sou batofóbico.


No lugar mais movimentado do mundo, mas sou agorafóbico.


Pensei em me esconder dentro da minha cabeça, mas sou ideofóbico.


Pensei... mas sou fronemofóbico.


E, na verdade, quero apenas me esconder de mim mesmo, mas sou autofóbico.


Quero, mesmo com os meus medos, achar a minha solução.


Quero enfiar a alma dentro do coração.


Quero me excluir do mundo, no que se refere à minha abstração.


Deitar a cabeça na palma da mão, com aquele ar de biofóbico, gente que tem medo da... ah, você sabe do que estou falando!


E dormir!


Que é no sono que está o lugar mais seguro do mundo.


A não ser quando as ondas gigantes invadem, na madrugada insone - sou cimofóbico -, e sonho que não vou mais acordar.


E me debato desesperado nas ondas imensas do sonho, mergulhado na minha fobofobia.


E me sinto agliofóbico.


Solitário.


Pensando numa gigantesca palavra para explicar as minhas atitudes, mas sou hipopotomonstrosesquipedaliofóbico.


E choro, mas sou catagelofóbico.


E também oneirofóbico!


E...


TõeRoberto

publicado por Antonio Medeiro às 15:13
Quinta-feira, 05 / 05 / 11

7 anos

O que são 7 anos na memória?
Um eco?
Um vago?
Um vazio?
Um tédio?
Um rastro?
Ou a simples constatação do nada
a que somos submetidos
a cada idade
a cada tempo
a cada caso?

Ou seremos somente
uma lágrima afiada
uma dor embrulhada na mala
os passos caminhando ao acaso
os olhos procurando nova casa?

Seremos mesmo memória
ou tempo diluindo nossa história?

Seremos resíduos de fatos
olhos de crianças confessas
cacos de copos estilhaçados
móveis empoeirados e riscados
fundas discussões sobre o passado
sonhos, pesadelos embolorados
ou tudo é o tempo que aflora
corroendo nossos ossos, nossa carne
roçando nossos lábios
nossa pele
gritando que o minuto é passado
gritando que a ruína se alicerça
na nossa alma dilatada?

Seremos o corte da alma
ou o simples palpitar do coração
o frio imaginário das retinas
o gesto adormecido em cada mão
ou somos o acordar do que não somos
a fome de sonhar o que perdemos
o grito aprisionado no estômago
a vida que nos exige
no momento?

O que seremos?
Crimes?
Desrespeitos?
Vis traições?
Ratos?
Sanguessugas?
Escorpiões?
Homens e mulheres que palpitam
no peito incendiado da emoção?

Ou tudo é deleite de quem vive
sonhando ser a águia ou gavião
que voam no espaço azulado
sem rumo
sem regras
sem precisão?

Ou seremos o espelho dos instantes
o canto impreciso das manhãs
o fruto que deseja ser mordido
pelo vasto itinerário das paixões?

O que seremos?
O que fomos?
O que somos?
Um riso sanguinário de atitudes
ou almas precisando de perdão?
(São Paulo/Sp)

publicado por Antonio Medeiro às 12:06
Terça-feira, 22 / 06 / 10

Remédio

Um poema há de ser remédio
pra alma
pro desatino
senão de que adianta
sentir
viver
existirmos?

publicado por Antonio Medeiro às 09:53
Sábado, 27 / 02 / 10

Objeto sim identificado

Um objeto
passeia no ar:

 

Um foguete?
Um asteroide?
Uma alma?

 

Não!
Uma (b)pomba!

.

TõeRoberto-04-098

 

publicado por Antonio Medeiro às 05:00
Quarta-feira, 23 / 12 / 09

A sentença XVIII

Confusa alma incerta
do poeta
aberta aos sonhos cegos
do profeta.

 

Palavras, a sentença
do arquiteto.

.
TõeRoberto

 

publicado por Antonio Medeiro às 05:00
Segunda-feira, 23 / 11 / 09

O relógio

No quarto
na parede fria
ronca o relógio
máquina sádica
levando com ele
a cada ronco triste
um pedacinho
da minha alma alada.

 

E eu calado
imerso na vida
ouvindo o ronco
nem sei mais do quê
me confundo todo
neste desatino
mergulhando fundo
nesta solidão
não sabendo ao certo
se é o relógio louco
ou se são as cordas
do meu coração.

.
TõeRoberto

publicado por Antonio Medeiro às 05:00
Segunda-feira, 08 / 06 / 09

ALMA

Esconde-se a alma
nos olhos.

 

Vez em quando manifesta-se
em brilhos.

 

Vez em quando enlouquece
e desnuda-se, toda, em rios.

.
TõeRoberto-post in jampa/pb

música: Variada
publicado por Antonio Medeiro às 05:00
Blog de TõeRoberto

Adamo&Isabelle

Julho 2012

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Comentários recentes

  • Sem palavras, silenciou e falou.Sem Palavras! Caro...
  • Caro TõeRoberto,Exceto pela parte do dedo no vidro...
  • Elimine os filtros, Primo! Não é fácil... eu que o...
  • show de bola o texto, especialmente as frases fina...
  • Olá, desculpa o meu Português não escrever bem per...

Subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro