Poemas Escolhidos

 

Voltemos um pouco a nós!
Não fiquemos esquecidos no poço.
No fundo poço do medo, no fundo poço do ódio,
no fundo poço do asco, no fundo poço da morte.

 

No poço! No poço! No poço!
Do fundo do calabouço, no poço vil das palavras,
no seco poço dos olhos, no negro poço da alma,
no estéril poço do corpo.

 

No poço! No fundo! No fundo do poço!
No poço dos sacrilégios, no amargo poço do tédio,
no estreito poço do ego.

 

No poço! No poço! No poço!
No sujo poço dos vermes, no poço das tentativas
surdas, cegas, fugidias de sermos sulcos de terra,
não sulcos de sangue e pedra,
não urros de estranha fera,
caída, suada, ferida no fundo sujo do poço
do fundo do calabouço de nossa suposta vida,
de nosso perdido vulto, de nosso calado grito.

 

No fundo!, no vago fundo do poço,
do mudo fundo do poço, no cego fundo do poço,
do poço sempre terrível
que espalha, retrata e pinta
o rosto inerte, opaco daquilo que somos agora,
daquilo que fomos outrora,
sentados no frio do poço,
do fundo do calabouço de nossa própria armadilha,
de nossa mesma agonia de sermos, todos os dias,
um medo, um ódio, um asco,
o olho vivo do poço, o escuro do calabouço
do nosso poço que é poço,
do fundo poço do poço do poço - poço do poço!,
essência de nossas bocas desenho de nossas línguas,
orgulho de nossas vísceras
que é tudo lama do poço:
paredes, águas e o limo.
Que é tudo frio do poço: o sangue, o suor e a linfa.
Que é tudo morto no poço: o grito!... o silêncio!... a vida!

.
(Fonte: Poema - Autoria de TõeRoberto)
Post in Jampa/PB

música: Viagem - Taiguara
publicado por Antonio Medeiro às 05:06