De fugas e viagens fomos feitos:
para isso nascemos profundos e leves
mergulho inalterado e infinito
pássaros de plumagens coloridas
poços de águas cristalinas
a refletir imagens comovidas.

 

De fugas e viagens fomos feitos:
para isso nascemos marítimos.
De água, sal, peixes, corais, horizontes
fomos feitos
e o líquido nos conduz à clara essência
daquilo que nos olhos desliza.

 

De fugas e viagens fomos feitos:
para isso nascemos retilíneos
lisos, cortantes, contundentes
viagens de faca carne adentro
ruídos de metal por entre os dentes.

 

De fugas e viagens fomos feitos:
para isso nascemos ausentes.
Ausentes de nós mesmos e do poente.

 

Ausentes de nós mesmos e do poente!

.
TõeRoberto

publicado por Antonio Medeiro às 05:00